Expressão 2.0

Expressão 2.0

Recentemente algo mudou, não foi possível prever a mudança, simplesmente aconteceu. Um alinhamento cósmico? talvez.

Num impulso, enquanto falava com uma amiga, comprei uma paleta de eyeliner néon com cores que fazem qualquer pessoa chorar de alegria. Mas o que raio tem isto a ver com a informação normalmente no blog, sobre evolução espiritual e desenvolvimento pessoal? Tudo! Na realidade todas as pequenas escolhas no nosso quotidiano têm um impacto no nosso desenvolvimento pessoal, pois tudo somado vai moldando a realidade onde nos movimentamos.

Apesar deste ato, à distância, parecer ser apenas um impulso meio louco apenas, ele levantou imensas questões estruturais. Talvez a mais importante seja a minha própria expressão de género mas deixo essa para o final.

Ser observado

O jogo social de observar e ser observado é jogado todos os dias, mesmo sabendo que podemos “jogar discretamente”, sabemos que é uma escolha estarmos ou menos camuflados no padrão social. Nem estou a falar de “dar nas vistas” falo de sabermos que há momento em que queremos sair da norma outros onde preferimos passar sem sermos detetados.

Há dias em que emocionalmente preferes não ter destaque, há partes do corpo que preferes não evidenciar pois não estás 100% confortável com elas, existem vários motivos para escolher o “smart office chic” para ir trabalhar para lá do “isto fica-te bem”.

Escolhi pintar os olhos, aqueles que estão bem no meio da cara, aqueles para onde todos olhos quando falam contigo, aqueles que até o teu telefone segue quando ligas a câmara porque sabe que é a tua cara! Impossível tomar este salto de forma discreta e isso foi maravilhoso.

Apesar de algum nervoso miudinho, reparei que todos estavam a dar muito menos importância a esse facto do que o meu cérebro tinha antecipado. Quase que fui ver-me num reflexo qualquer para entender se tinha saído tudo sem eu dar conta!

Não vale a pena antecipar “o drama” (qualquer um) antes do momento presente estar a acontecer!

Disse André um dia no tempo

O resgate do poder

Este processo de assumir algo marcante, que não se esconde, “está na cara”, é um processo de resgate de poder pessoal incrível! Tens que replicar? Não da mesma forma que eu estou a fazer mas à tua própria conta e medida, sim!

Internamente houve um movimento de validação pessoal de que “eu posso”, de que não sou “menos” mas sou ainda mais do que já fui. Este poder pessoal todo sabe a liberdade de expressão, liberdade que se vai conquistando a cada experiência pessoal.

Expressão de género…

Pois é, grande questão esta que se levantou sobre a minha própria expressão. O que é afinal o masculino, o feminino, o que não é binário em mim e para mim? Todas estas questões se levantaram em mim e eu continuo a sentir que o que eu escolho usar não têm género. Ou melhor, que os meios não têm género, não reside na cor, no material, no corte, na maquilhagem, nos sapatos… A expressão de género realmente reside na forma como assumimos as coisas (na minha singela opinião).

Explicando melhor, a maquilhagem não me usa a mim, eu uso a maquilhagem, logo sou eu que “imprimo” nela uma pegada vibracional e intencional para que expresse o que me vai na alma.

Regressando à evolução pessoal e espiritual, quando mais singulares somos com o nosso verdadeiro sentir, quanto mais honestos somos com as escolhas do dia-a-dia, mais próximos estaremos de ser únicos e de atingirmos um nível de confiança estrutural incrível. Por isso brinquem e experimentem muito convosco, pois isso é a chave para conseguirmos compreender o que faz realmente sentido para cada um de vós.

Não tenham medo de arriscar com o vosso próprio corpo.

Anita descobre a valorização

Anita descobre a valorização

O valor que atribuímos ao nosso ser está intimamente ligado à imagem que temos de nós, à forma como imaginamos o nosso futuro e como pensamos sobre as nossas ferramentas inatas. Ainda que tudo isto seja pessoal e interior há muitas mensagens externas que nos dão um bom empurrão para esta observação.

Quando foi a última vez que alguém disse que fazias algo muito bem? Que algo era inato em ti? Que simplesmente tens queda para a coisa?

Estamos todos ligamos na nossa malha social e vamos fazendo “espelho” uns aos outros, de forma a que indiretamente todos recebamos mensagens externas sobre o processo interno.

Será que a Anita sempre teve a capacidade inata de ir ao zoo para salvar o dia?

Quando estamos em piloto automático a resolver as coisas normais da vida é complexo parar para ter um momento de reflexão sobre o que estamos a fazer bem. Por isso acredito que a Anita quando foi ao zoo, não estava a pensar como é fantástica a explorar novos locais e sempre atenta a tudo e a todos, pronta para salvar o dia. É preciso uma ajudinha da audiência! Há sempre um Robin para o nosso Batman. Quem chega e diz “bolas, fazes isto aqui mesmo bem!”. Porque as nossas capacidades mais inatas muitas vezes são as que mais dificuldade temos em valorizar e observar, precisamente por fluírem através das nossas ações de forma tão natural que nem lhes damos importância.

Vamos falar de valorização em esforço?

Pois é, ainda estamos com muitas gerações de esforço, sangue e suor para conseguir coisas e uma capacidade inata e indolor é imediatamente colocada no lixo porque “não custou nada, logo não vale nada”. Mas como seria uma sociedade se cultiva e enaltece as capacidades que todos nós fazemos com uma perna às costas, uma carica no olho e uma vassoura no c… ? Que sociedade diferente seria esta! Sem o peso de que o inato é inglório.

Nos últimos tempos têm existido grandes desafios, não estamos propriamente a passear no zoo mas certamente muita gente está a passear na selva astral! Os grandes movimentos sociais e globais continuam a moldar o nosso dia-a-dia e a moldar de certa forma os tempos vindouros.

Mas nem tudo é um desafio intenso e global, há desafios pessoais e simples de resolver onde, certamente, passas com sucesso e há por ai um “Robin” para te dizer “uau, eu não conseguiria resolver como tu”. Tens ouvido esse eco da audiência? Às vezes passa ao lado mas tenho a certeza que ando por aí.

Ouve com carinho os comentários, compreende como eles podem ressoar dentro de ti. Certamente que há ouro nestes comentários. Muitas vezes são capacidades que não andamos a observar.

O contrário é possível?

Claro! Às vezes também é através da audiência que recebemos aquele “estás mesmo com ar cansado, isto está a desgastar-te” para te chamar a por os pés ao caminho. Certamente estarás a insistir numa coisa que te drena constantemente.

Atenção que o processo de valorização não passa pelo outro, continua pessoal, mas as mensagens externas são as estrelas que te podem guiar à noite. Aproveita bem este céu estrelado. Os outros apenas ajudam a fazer com que prestes atenção, depois farás o teu caminho da real valorização.

Navega esse caminho com carinho pelas ligações aos outros.

Temos que ser fortes?

Temos que ser fortes?

De tempos em tempos há movimentos na sociedade que nos fazem ter atitudes ou decisões semelhantes, apesar de aplicadas à vida de cada um de nós. Esta é uma dança lindíssima que me faz receber mensagens comuns, aplicáveis a várias pessoas num momento específico.

Recentemente reparei que esteve a acontecer uma exaltação “da força”. Não, não estou a falar de StarWars, mas sim de um constante reforço de que “preciso ser forte para isto” ou ” vou ser forte para ultrapassar isto“. O problema não está na força mas sim na forma como está a ser aplicada.

Praticamente todos os casos com que me cruzei tinham algo semelhante, eram casos de resignação e resistência e não de força realmente. Eram casos onde “ser forte” era o sinónimo de “aguentar” ou “sobreviver” simplesmente. A nossa força interior é impulsionadora, deve ser o que nos inspira a avançar, a encontrar soluções e a fazer mudanças, ter força não deveria ser para aguentar de forma submissa o que nos acontece.

Claro que num momento de maior dificuldade precisamos de força, mas uma força que coloca soluções em cima da mesa e arranja as melhores formas de viver o momento mais desafiante. A força é esse fogo interno que nos permite correr até à meta final, mesmo quando parece que estamos quase a perder a corrida.

Quando a vida nos desafia também precisamos de muita resistência e capacidade de aguentar situações pesadas, é perfeitamente válido, só não lhe chamem força. Quando acreditarem que ser forte é aguentar, como vão depois ter força para arrancar com os vossos projetos pessoais? Os projetos e mudanças não nascem por “aguentar” seja o que for.

Até posso acrescentar que em momentos onde a vida me pediu muita resistência e aceitação aquilo que me alimentou foi ter alimentado a minha força interna com outras coisas paralelas que estavam a acontecer também. Alimentar a nossa força em tempos complicados é alimentar as nossas paixões, os locais e hábitos que nos deixam de coração cheio, precisamente para ter força interior e a mente clara para tomar as decisões mais acertadas.

Resgata essa verdadeira força pessoal sem te resignares a aguentar seja o que for, sem confundir força com resiliência aos desafios.

A história de uma estrela

Um dia, numa aula de astrologia, fizeram a seguinte analogia que guardei para a vida! Uma estrela quando está no auge do seu brilho está pequena e extremamente comprimida sobre o seu centro, gerando uma energia imensa que a faz brilhar intensamente. Quando as estrelas começam a expandir o seu tamanho, chegando a “engolir” planetas ao seu redor, é quando a estrela perde o seu brilho e a sua energia.

A analogia é que quanto mais centrado sobre o teu núcleo estiveres, mais brilharás e iluminarás todos os que te rodeiam. Quando tentamos tocar todos os corpos à nossa volta perdemos o centro e o brilho que poderia inspirar outros à nossa volta.

Algumas dicas

A prática de meditação ou de momentos de auto-observação como um hábito constante ajuda-nos a não esquecer a nossa força. É por isso que já criei e disponibilizei cadernos, diários lunares, diários de 21 dias e tantas outras ferramentas para partilhar o que faz tanto sentido para mim.

Quando a segurança destrói a essência

Quando a segurança destrói a essência

Contexto

Há locais que fazem despertar memórias de vidas passadas, experiências profundas que trazem consigo memórias carregadas de aprendizagens. Algumas vezes “caiu” sem planear nestes locais outras vezes existe um chamado para ativar determinadas memórias. Neste caso a história que vos conto foi acedida na igreja de São Domingos, em Lisboa. Afamada igreja, conhecida por pegar fogo sempre que é reconstruida.

Já há alguns meses que me andavam a empurrar para lá passar, mas não estava preparado para a avalanche de mensagens e por isso dei sempre com o nariz na porta. Há uns dias, a fazer tempo para um evento, reparei que estava aberta e foi quando toda esta visualização chegou até mim. Partilho convosco algumas das mensagens que me foram passadas, desta vida passada mas que ainda encontra pontos comuns com as presentes que vivemos.

Mensagem da igreja de São Domingos

Choravas intensamente, quase que me atrevo a dizer que choravas pelos dois, por tudo aquilo que eu não fui capaz de chorar naquele momento. Ouvi mais do que simplesmente o teu choro e dor, ouvi também os gritos e as palavras de ódio da plateia onde eu próprio estava. Uma plateia segura, uma plateia que me matou por dentro.

Hoje tenho um novo nome, um nome que é símbolo de liberdade mas também símbolo de um preço demasiado elevado a pagar. Decidi mudar, tomei a decisão com base em medo e opressão, não foi uma escolha simples mas no momento parecia o mais seguro a fazer. Abandonar a nossa herança é mais do que mandar fora uns conceitos e dias festivos, é assumir que gerações inteiras morrem ali, naquele mesmo momento connosco. Fugi para uma cidade banhada de luz, onde pensei que poderia ser possível viver a paz e integração. Com fama de acolher povos de todos os quadrantes. Mas foi sol de pouca dura, rapidamente as ameaças tornaram-se mais constantes e o medo começava a oprimir os meus para as ruas e becos mais escuros da cidade.

Chegou o momento de sobreviver renegando tudo o que aquilo que me tornava a pessoa que era. Não mudei apenas o meu nome, matei os ancestrais e trai a minha própria alma. Cego, acreditei que estava a trair-me apenas a mim, que não te levaria comigo para um lugar negro de dor, assumi que a minha segurança seria também a tua.

Agora, mudado, não posso mais regressar ao beco onde vives, eles vão perceber que a mudança é falsa! Preciso perpetuar a mentira de viver seguro enquanto apunhalo todas as minhas crenças.

Não queria aqui estar, só queria estar vivo, mas agora que aqui estou penso que preferia ter ido contigo, porque enquanto o teu corpo se torcia de dor o meu coração morria de forma agoniante. O meu novo nome deu-me o pesado privilegio de estar na fila da frente quando o cortejo de corpos odiados passava. Arrastavam-te pela rua com o teu nome original associado a palavras de ódio e repudio. Junto do meu ombro houve homens que te cuspiam e eu só podia estar ali, a morrer por dentro. Eu cuspi a minha própria alma em praça pública. A assumir uma escolha segura, escolhi a morte mais lenta e dolorosa.

Compreendi ali a dura lição do que realmente pode custar escolher a segurança em função da nossa essência. A escolha segura pode ser dolorosa e pode destruir o teu coração.

Não houve mais nada que salvasse a minha alma depois daquele dia em plena praça pública, a assistir à morte de tantos que me eram queridos. Na plateia deixei morrer a herança, a história e a magia da minha individualidade.

Não deixei chacinar novamente tanta informação, irei manter viva a chama da essência única no meio do nosso coletivo.

Ao perdão de todos os que se converteram. Por todos os que nunca negação as suas heranças.

Canalização de vidas passadas na igreja de são domingos de lisboa
O que faço quando não-faço?

O que faço quando não-faço?

Nunca ninguém me explicou o que estamos a fazer quando “não estamos a fazer”. O mundo vibrou sempre ao meu redor de forma a reforçar que “parar é morrer” e que é preciso continuar a criar, a trabalhar, a viver em esforço para sobreviver. A culpa não é do mundo, fui eu que atraí para mim este padrão e permiti que ele vibrasse aqui dentro.

Sabia que quando havia sangue e suor havia lucro e louros! Mas nunca soube reconhecer as virtudes de parar, sem morrer.

Durante muitos anos o tarot ou a astrologia dizia-me ao ouvido “precisas abrandar, aprender a serenar”, mas era complicado compreender os benefícios. Treinei a meditação e as práticas de viver mais o presente, mas durante um tempo foram apenas a desculpa de que já estaria alinhado, sem realmente entender o que estava a acontecer dentro de mim.

Conto esta breve história porque acredito que não estou sozinho nesta descoberta, a sociedade ainda continua a premiar os que derramam sangue e suor pelas causas, sem explicar que há muito a ganhar quando paramos. Quando foi a última vez que paraste para apenas existir?

Ainda hoje, mesmo com uma consciência diferente de mim, compreendo que quando estou calmo e relaxado tenho a tendência para pensar no trabalho, é um escape que sabe bem, uma falsa segurança de não estar a desperdiçar tempo. Com o passar dos anos descobri que ganhamos tempo quando perdemos tempo a olhar para algo. Quem disse que “perco tempo” quando descanso? Ganho tanto em descansar! Mas é um ganho subtil, a longo prazo, menos fácil de mensurar na prática e por isso torna-se um ganho mais abstrato. Todos sabemos que o abstrato poucas vezes ganhou a batalha contra o concreto.

Precisamos de reaprender a parar. No tempo “perdido” é onde podemos encontrar o sentido das nossas pontas soltas. Precisamos desse silêncio para trazer consciência à rapidez do quotidiano. Só quando paramos é que é possível dar um passo atrás dos desafios e repensar soluções. A audácia não é ganha no impulso e na rapidez, a audácia ganha-se na segurança interna que permite uma velocidade controlada e estável no futuro.

Nada disto é algo que se ensine de forma fácil, pois temos muitos anos e gerações de rapidez e produtividade sobre nós. Mas é possível reverter esta situação e começar a gerar um pensamento diferente. Aos poucos, temos sido empurrados a viver e experimentar esta forma de estar, seja por existirem mais pessoas que servem como referência, pandemias que nos colocam limites ou ainda o facto de existir um crescendo de terapeutas e terapias no nosso dia-a-dia. Estamos a ser empurrados a silenciar e acalmar.

Quando falamos em meditação e em viver o presente, ainda falamos como sendo algo pontual no meio de um dia corrido. Na realidade é o dia corrido que devia absorver mais uma postura calma, a um ritmo natural e individual, assim como uma rotina de bem-estar em vez de uma rotina de esforço.

Permite-te parar e sentir apenas. Permite que o momento de bem-estar seja valorizado e não seja apenas uma forma de escapismo.

Respira apenas, descansa apenas, existe apenas.

Viver o Masculino e o Feminino

Viver o Masculino e o Feminino

Há vida em Marte para lá da ação?

Claro que há! hehe. Esta ideia de que uma vibração masculina, “marciana” (regida por Marte), é apenas revelada pela ação e pelo impulso é algo muito ultrapassado. Esta vibração está presente em cada um de nós e revela-se no nosso movimento, na forma como o instinto nos guia. O Masculino é uma força impulsionadora e criadora, as vezes bruta e destruidora mas sempre na ótica de quebrar para depois atingir algo novo e diferente. Quando esta energia está bem direcionada e gerida pode ser usada a teu favor, podes criar vida, projetos e novos rumos. É uma energia que me é muito familiar pois tenho muitos planetas em fogo e este fogo interno masculino é muito presente na minha vida.

Contudo, há um lado sombra, como em tudo. O masculino reprimido acaba por se anular face à presença do outro, quando a direção que os outros tomam é mais importante que a minha própria direção. Podemos perder força vital, vontade, garra sobre as nossas decisões! Qualquer pessoa tem esta vibração consigo, temos que saber canalizar da melhor forma esta energia de impulso.

Assumir o feminino é ser passivo?

Há muito para lá da passividade no feminino! Esta ideia errada de que o feminino é apenas a passividade face às situações não faz sentido. A vibração feminina está contigo no cuidado, na nutrição do que existe, na gestão cuidada dos processos emocionais. Esta é uma vibração que dá força a longo prazo aos projetos, ideias e aos que nos rodeiam. Sem esquecer um movimento importantíssimo, o receber! Saberes receber é algo profundamente feminino, saber estar recetivo ao que nos dão, à ajuda e ao que a própria natureza nos dá.

Estar recetivo pode ser também ser vulnerável. Sermos capazes de dizer “preciso de ajuda”. É algo que todos nós precisamos de ter e algo que a força (excessiva) masculina em nós nem sempre nos permite ter, pois esta é a força e a superação. Permitam-se a pedir ajuda, a dizer que é bom ter um braço direito convosco naquela situação.

Que casamento interno devemos criar?

Todos temos aspetos destas duas vibrações, masculinas e femininas. Todos precisamos reconhecer em que áreas as temos mais ativas ou mais na sombra para que vivamos conscientes delas. É preciso honrar cada uma delas connosco como um fogo e água primordiais que vibram dentro de nós.

É importante criarmos um verdadeiro casamento interno destas vibrações, para compreender onde elas ganham ou perdem espaço na nossa vida. Recentemente um “pop quiz” simples no meu instagram, foi curioso analisar como a maior parte das pessoas até estava equilibrada numa série de fatores masculinos e femininos, menos numa questão. O “dar e receber” foi a pergunta com respostas mais abismais. O fosso mostrou que existem muito mais pessoas com capacidade para dar, mas com imensa dificuldade em receber. Este é um ponto crucial na nossa interação humana, é bom que consigamos ter consciência dele.

sagrado masculino feminino