Diwali, a luz da sabedoria

Diwali, a luz da sabedoria

O Diwali já é o dia mais marcante do Atlas do Ser. Sempre tive dificuldade em dar continuidade aos meus projetos, acabavam sempre por ficar na gaveta passado um tempo, substituídos por projetos novos, mas quando criei o Atlas foi diferente. O Atlas nasceu com o propósito de guiar e trazer consciência às pessoas, acabando por me orientar a mim mesmo neste processo. Não foi por isso estranho que o Diwali tivesse sido o dia festivo que mais ressoou com a energia deste projeto, tendo sido uma âncora para que o Atlas nunca fosse colocado novamente na gaveta.

Como comecei a celebrar o Diwali?

Este ano partilho um pouco da história de como o Diwali me encantou. Tinha terminado o curso de Libertação das Cordas há muito pouco tempo, estava ainda nas primeiras consultas. Cheio de medos ainda, fui-me lançando às consultas e quase como um grande teste, surgiu a hipótese de realizar uma consulta a uma rapariga fantástica. Acontece que ela é indiana, a consulta foi por vídeo-chamada e tudo isto me estava a tirar da zona de conforto! Era das primeiras consultas que dava, a primeira em inglês e também das primeiras em vídeo-chamada. Lancei-me, como sempre e os resultados foram incríveis, não só os terapêuticos mas criámos mesmo uma ligação especial. Meses mais tarde estava a chegar o Diwali e ela partilhou imensa coisa comigo sobre como era para ela vivido este momento. A sua descrição encantou-me, numa mistura do que seria para nós europeus uma passagem de ano misturada com Natal.

Este festival hindu (mas que é celebrado de formas próximas noutras religiões) é o festival do Bem contra o Mal, da Luz contra a Sombra e sobretudo da Sabedoria contra a Ignorância. As famílias juntam-se para acender lamparinas de azeite, velas e luzes “tipo de Natal”, de forma a iluminar esta longa noite. Mais do que simplesmente um ritual é uma forma de união, um esforço conjunto de iluminação. Há vários dias de celebrações pelas ruas e as pessoas escolhem vestir as melhores peças de roupas pois a valorização desta Luz não passa apenas pela chama das velas, também passa pelo brilho pessoal que sentimos quando nos vestimos bem e nos arranjamos de forma mais especial.

Esta celebração da sabedoria sobre a ignorância, este iluminar do nosso lado sombra e que tantas vezes cai na ignorância, ressoou comigo e com as premissas que coloquei no Atlas, no momento da sua criação. Desta forma adaptei e ajustei a celebração ao meu quotidiano e sistema de crenças de forma a partilhar convosco esta Luz.

A minha forma de celebrar a Luz da Sabedoria!

Com este mote, adaptei as premissas do Diwali para uma momento de meditação simples e ajustado às nossas rotinas. Uma meditação de reconhecimento das nossas sombras e a iluminação das mesmas. Assim estaremos a promover a consciência e a unicidade do nosso ser. Podem existir aspetos mais ritualísticos, como o acender de velas, embelezamento do espaço de meditação ou outros que façam sentido. A criação deste ambiente é porque o Diwali tem esta componente de brilho/valorização pessoal e ao nosso redor, é por isso que faz sentido trazer coisas belas para o teu ambiente habitual de meditação, não sendo obrigatório que assim seja.

Todos anos tenho criado uma meditação gravada, para ser realizada no dia do Diwali, para que todos em conjunto consigamos trabalhar internamente o resgate da nossa sabedoria interior e a iluminação das nossas sombras. Esta partilha tem criado uma fantástica “tribo diwali” que ano após ano faz comigo esta celebração.

Pela primeira vez fez-me bastante sentido criar um grupo conjunto, que estará à mesma hora a realizar esta meditação. De forma remota, online, para que em qualquer parte do globo seja possível participar, no próximo dia 4 de Novembro, pelas 20h00, estaremos juntos nesta jornada se assim sentires.

Para quem não pode ou prefere ter a gravação, tal como nos anos anteriores, é sempre possível receber por e-mail o ficheiro áudio com a meditação, podendo fazer a qualquer hora e mesmo dia.

Como te podes juntar no dia 4 de Novembro?

Basta seguires este link para realizar a tua inscrição: https://forms.gle/zFJgnHyzrsJVSkig6

Receberás depois um e-mail com a meditação em ficheiro áudio ou o link do google meet para te juntares de forma remota.

O evento é totalmente gratuito, mas caso queiras fazer uma doação, para apoiar e ajudar a que este e outros eventos aconteçam, facilitarei os meios para que faças um donativo. Mas relembro, o evento é livre e grátis.

Se tudo isto vibra contigo entra em contacto e junta-te a esta celebração!

Previsão para Outubro 2021

Previsão para Outubro 2021

Olá novamente! Conseguiram rever em Setembro as questões de valorização? Deste lado, eu senti bastante o grito de guerra para dizer “eu valho mais!”. Saímos dessa reflexão para um novo mês, repleto de novos desafios já a sentir o outono a chegar e o tempo de maior recolhimento a bater à porta.

Tema geral do mês

Príncipe de Copas – Prontos para começar a sentir e a abrir o coração a uma nova forma de viver? Se durante o mês passado estivemos a refletir sobre o nosso valor pessoal, agora temos que sentir em profundidade que valor é esse, para que o sistema de valorização realmente funcione. Por isso Outubro vai chegar com desafios à honestidade e ao mergulho nas nossas emoções para entender melhor de que forma podemos tornar realidade uma vivência mais justa face aos nossos valores pessoais.

Maior desafio

9 de Paus – A maior dificuldade aqui é mesmo manter a força. Vai ser bonito termos um início de mês em modo regresso às aulas, cheio de tesão por recomeços, mas conseguimos manter esse ritmo e desejo? Aqui é que vai bater o ponto. Por mais clara que seja a mudança o universo ainda não estará a facilitar o processo, criando desafios de resistência, por vezes até física, para ver até que ponto estás preparada/o para a mudança.

Chaves do mês

Imperatriz – A chave deste mês não poderia ser mais simples, sendo que por vezes isso é o mais complexo de fazer. Este mês o segredo será procurar o prazer, a alegria e a diversão nas coisas. Não faças apenas por obrigação e dever, faz por prazer e por gosto! Quando a falta de força e vontade bater, tal como indica o desafio, a revitalização passará por coisas leves e alegres. Se te vires bloqueada/o a saída estará sempre na resposta mais prazerosa e menos dramática.

Uma ótima navegação a todos vocês e até breve!

Evolução do mundo holístico

Evolução do mundo holístico

Escrevo num momento em que temos imensos planetas retrógrados, para além do nosso querido mercúrio, e talvez por isso esteja num ponto pessoal de maior questionamento. Estes momentos são bons para refletir o que temos feito, quais têm sido os benefícios das nossas escolhas e em que direção queremos continuar a semear as nossas sementes.

Conforme vou aprendendo mais técnicas e vou ganhando cada vez mais experiência no terreno, vou acreditando cada vez mais numa abertura daquilo a que chamamos o “mundo quotidiano” para o “mundo holístico”. Estas mudanças demoram anos, às vezes décadas ou mesmo séculos, mas senti que deveria escrever o que sinto como forma de afirmar ao universo e a mim mesmo a minha visão e a minha vontade.

Tenho-me cruzado com muitas pessoas no meu caminho que chegam de uma geração anterior, uma geração onde o acesso às ferramentas era limitado, oculto e mesmo codificado. Para os dias de hoje seria impensável queimar apontamentos após uma formação de reiki! Mas é verdade que isto já aconteceu e não foi assim há tantos anos como imaginam. Estavam a ser formadas as pessoas que foram desbravando o caminho para hoje ser possível existirem lojas e espaços de terapias que nascem quase como cogumelos. Houve durante muito tempo uma evolução paralela e repleta de secretismo. Hoje vivemos uma realidade cada vez mais mista, onde até quem nunca teve uma aula sequer de astrologia sabe alguma coisa sobre mercúrio retrógrado, por exemplo, e para mim este caminho mesclado de experiência e modos de ver o mundo será o caminho mais comum em breve.

Qual é o futuro do universo holístico para mim?

Acredito que vamos estar a caminhar para um mundo mais unificado, onde o universo corporativo pode ter espaço para a sensibilidade, onde o quotidiano respeita a energia pessoal e a evolução espiritual que cada um está a fazer. Mas onde poderá isto ser traduzido? Para mim traduz-se em misturar mundos, deixando de fazer sentido dizer que algo é “esotérico” ou “holístico” porque simplesmente fará parte do dia-a-dia. Imagem só diretores de Recursos Humanos a ler mapas astrais para ter equipas que se completam nas suas várias valências!

Esta mudança ainda vai levar o seu tempo, mas vou sentindo cada vez mais esta necessidade de unificação. A título muito pessoal, até vos digo que já tive várias/os chefes a questionarem-me sobre mapas astrais ou outro tipo de informação “esotérica” sobre novas contratações. Poderá ter sido a título de curiosidade ou simplesmente “por piada”, mas o que é certo é que estes são temas cada vez mais comuns na nossa linguagem.

Somos Um. Onde quer que estejamos

Outro tema que temos vindo a partilhar todos, com especial reforço (forçado) durante o ano de 2020 é o tema das nossas ligação não-físicas. Fomos forçados por motivos pandémicos a ficar em casa, ao mesmo tempo que as plataformas digitais e redes sociais estão no auge da sua utilização. Isto vem dar oportunidade a que se criem ligações para lá das fronteiras habituais, entendendo que a nossa “tribo” não vive toda connosco, no nosso bairro, mas passou a viver ao redor do globo. As nossas comunicações vivem momentos estranhos com inovações mas também muito controlo por parte dos prestadores do serviço, e isto surgem para reafirmar que há trabalhos globais que podem acontecer de forma síncrona, mesmo que oceanos e continentes entre todos nós.

Em resumo, eu penso que a integração será mais uníssona e global. Os processos vão estar todos eles mais às claras e será tudo mais falado e exposto. Da minha parte eu sei que vou relacionar cada vez mais as minhas ferramentas de forma a proporcionar uma orientação mais mista e mais polivalente, em consonância com aquilo que cada um precisa.

Até lá, permite-te quebrar as barreiras e os preconceitos. Sai dos armários onde estejas escondida/o. E sorri à nova realidade 🙂

Previsão para Setembro 2021

Previsão para Setembro 2021

Depois de muito tempo a colocar previsões em vários locais nas redes sociais, decidi passar este tema para o formato de blog. Aqui é possível tirar maior proveito de textos um pouco mais longos e ganho espaço a outro tipo de ideias, sempre que possível.

Como funcionam as minhas previsões? Para quem já me vai conhecendo, assim como as dinâmicas das minhas consultas, sabe que adoro colocar questões! Questões que nos fazem repensar o momento presente, colocando-nos em contacto com o nosso núcleo mais profundo. Por isso, sem mais blablabla, vamos ver o que nos reserva Setembro.

Tema geral do mês

6 de Ouros – Todos nós, de formas distintas vamos ser questionados sobre as nossas estruturas base. Mais do que ganhar dinheiro, ter uma casa ou garantir qualquer tipo de estabilidade material, este mês vamos questionar qual é o sentido real desta estabilidade. Nem sempre ter mais é sinónimo de ser mais feliz ou nem sempre as formas que usamos para ter estabilidade são as que nos dão maior satisfação! Estivemos a sair de um momento de quarentenas, perdas e desafios grandes às rotinas e agora que estamos a tentar voltar ao “normal”, regressamos com uma postura diferente e pronto para fazer perguntas diferentes. É possível compreender que o sucesso tem que ser partilhado e que a estrutura emocional, mental e espiritual precisam estar de mão dada com o material.

Maior desafio

O Mago – O grande desafio deste mês de Setembro é o facto de que estamos a criar ou a mudar uma realidade antes de chegarem até nós as ferramentas. Podemos sentir a pressão para mudar mas não sentir que é o momento, porque nos falta algo ou porque achamos que não há ainda algum fator importante. Mas começa! Não fiques parado porque o mago chegou para te dizer que podes não ter tudo do teu lado, mas tens o que precisas para dar os primeiros passos.

Chaves do mês

8 de Paus – Impulso e velocidade vão ser a nossa maior chave. Quando respondes de forma rápida, sem pensar, estás por vezes a permitir que de forma inconsciente a tua intuição fale mais alto, literalmente. Esta resposta rápido e perspicaz vai ser uma bússola ao longo do mês. Se o teu coração e a tua mente te puxam para um sentido, então é que há certamente ganho nesse caminho. Não fiques preso a moer ideias e começa a agir com o coração.

Em resumo, este é um mês ótimo para iniciar um novo ciclo, quase um “regresso às aulas” energético que te deixa a oportunidade de criar e mudar. Talvez não seja o mês de colher já todos os frutos ou de ter garantidas todas as ferramentas para uma grande construção, mas é sem dúvida uma boa altura para iniciar e testar aquilo que poderá vir a ser uma grande viragem na tua vida.

Curar a energia de culpa

Curar a energia de culpa

Decidi começar a trabalhar alguns textos sobre processos que surgem em terapia. Mesmo que de forma anónima, estes são processos que surgem repetidamente e muitas vezes estamos isolados, a viver a sua cura a pensar que estamos sozinhos. Quando ouvimos, neste caso lemos, processos semelhantes, acabamos por suavizar a questão pois é possível analisar diferentes abordagem.

A culpa não nasce sozinha.

Os processos de culpa podem ser mais ou menos complexos que existe sempre um “subtítulo”. Culpa de fazer sempre mal, culpa de nunca fazer nada, culpa de não ser útil, culpa de tentar ser sempre demasiado útil aos outros e não ser para si. A lista pode ser vasta e é necessário mergulhar mais fundo no processo de culpabilização.

Grande parte das vezes os pacientes chegam com uma promessa pessoal realizada. Quantas vezes prometemos a nós mesmos algo? Que serei o melhor ou que farei mais por alguém. Mas regra “quase geral” estas promessas são realizadas em momentos de maior tensão ou conflito. Prometer algo num momento tão complicado, terá sempre associado uma energia de escassez. Assim, conseguimos já chegar à conclusão que, habitualmente, a culpa vem de um lugar de escassez e falta, motivando um movimento excessivo de compensação de algo.

Eu acredito que há sempre coisas positivas nos movimentos conotados como “negativos”, consigo entender facilmente, que a culpa de ser útil à sociedade, pode levar-me a ter uma exigência desmedida em realizar trabalho social. Este trabalho social pode ser altamente benéfico para o mundo e para uma série de pessoas, mas o problema dos processos de escassez é que são como um buraco negro, que quando não é sanado nos suga constantemente. Quantas vezes eu prometo a mim mesmo “ser o maior apoio para a minha família” e vou criando ciclos cada vez mais complexos de exigência, esgotando-me e anulando-me para atingir uma meta que teima em fugir de mim.

E valorização, podemos falar nela em processos de culpa?

Pois é, o valor pessoal ou o valor associado ao que realizamos anda de mão dada com a culpa. Se eu não conseguir valorizar as minhas próprias ações, sem validação externa, posso iniciar um processo de culpabilização. Esta é uma das chaves para quebrar o ciclo de culpa, aceitando que dou sempre o meu melhor e que a mais não sou obrigado. Muitas vezes, a culpa chega em relação aos outros, que podem ser pessoas conhecida ou simplesmente dirigido à sociedade/comunidade em que vivemos, porque nasce no colo da escassez de valorização pessoal e por isso é necessário compensar, fazer mais para os outros ou pelos outros.

Como vivemos sem culpa?

Viver sem culpa não é simplesmente virar as costas aos assuntos ou pessoas. Viver sem culpa é olhar o ponto onde começou, observar a origem e sanar dizendo o real valor que tens! Temos, dentro de nós, a capacidade de perdoar o passado e abençoar o futuro. É tão importante sabermos dizer que demos o nosso melhor naquele momento passado, sem guardar medos ou rancores.

Liberta a exigência criada e policiada por ti, para que o momento presente seja vivido apenas por aquilo que está a fluir.

Da mesma forma como podemos ser castradores, podemos também tornar as nossas ações mais livres em si mesmas. Aceita que as tuas ações têm o valor ideal no momento ideal, sem “mas” ou planos B. O perdão, a confiança e a valorização são pontos chave que poderás trabalhar para dissipar este processo de culpa.

Viver pode ser uma passagem tão simples e bonita.